REVIEW

CoD: Modern Warfare review — Ainda dá tempo de consertar

  • Data de Lançamento: 25/10/2019
  • Data do Review: 1 de novembro, 2019
  • PC, PlayStation 4, Xbox One

Novo Call of Duty tem potencial para ser o melhor da história, mas tropeça em algumas novidades do Multiplayer.

por Pedro Scapin | @PedroScapin17 em 1 de novembro, 2019

Entra ano, sai ano, os fãs de Call of Duty sempre esperam que o próximo game da franquia será o melhor de todos os tempos, e com todas as promessas feitas, Modern Warfare tinha tudo para receber esse título.

O escopo que a Infinity Ward deu a Modern Warfare transcende tudo que já tínhamos visto antes em Call of Duty: uma nova engine, o fim do Season Pass, diversos modos de jogo e até mesmo cross-play.

Após uma alpha empolgante e uma beta ainda mais promissora, chegou o momento de ver como CoD: Modern Warfare se comporta em sua versão final, e o resultado não é exatamente aquilo que eu estava esperando.

CoD Modern Warfare

A Campanha é irretocável, e suas cinco horas de duração são compostas por uma história avassaladora e uma sequência de missões que variam de estilo, mas sempre me mantiveram tenso com as situações apresentadas.

O Spec Ops é um verdadeiro teste para os mais experientes fãs da franquia. Todas as missões do modo são absolutamente desafiadoras, e se você quiser ter sucesso nelas, será preciso usar uma estratégia muito bem elaborada e manter contato constante com os membros de sua equipe. O nível de dificuldade pode assustar no início, mas a prática leva à perfeição.

O problema maior de Call of Duty: Modern Warfare está justamente naquele que deveria ser o seu ponto forte: o Multiplayer. O modo não é exatamente ruim, mas possui elementos que exaltam os momentos mais frustrantes de um CoD.

A Infinity Ward já declarou que Modern Warfare foi feito para todos os jogadores, e para fazer jus a isso, o estúdio trouxe para o game uma infinidade de modos de jogo, além de algumas mudanças e atualizações em mecânicas tradicionais da franquia.

Call of Duty Modern Warfare

E são justamente algumas dessas mudanças que mais me incomodaram. Para começar, o mini-mapa não mostra mais os pontos vermelhos que indicam um adversário quando ele dispara sua arma, e nós temos que recorrer a uma bússola no alto da tela para ter uma leve noção da direção dos tiros.

Outra novidade de Modern Warfare está no estilo de seus mapas. O tradicional design “three lanes” foi deixado de lado para o uso de rotas mais variáveis e muita verticalidade.

Além disso, boa parte dos mapas é grande demais, e com caminhos demais para serem explorados, isso até mesmo na playlist 6v6, onde os fãs da franquia estão acostumados a jogar em cenários menores que favorecem o frenético ritmo CoD.

Já os mapas voltados para até 20 jogadores na mesma sessão funcionam como um claro chamariz para quem é fã de Battlefield, oferecendo campos de batalha enormes e recheados de veículos. Mas assim como acontece em alguns momentos da playlist 6v6, o jogador fica perdido com o labirinto de caminhos apresentados, e todo gameplay acaba se tornando frustrante.

Call of Duty Modern Warfare

Tudo isso fica ainda mais claro quando os jogadores abusam de uma mecânica que precisa ser ajustada para que o game ganhe mais em diversão. O som dos passos está absurdamente alto, principalmente para quem joga com fones de ouvido, e isso faz com que a maioria dos players “alugue” um pedaço do mapa para praticar a insuportável arte dos campers.

Deixando os pontos baixos de lado, Modern Warfare conseguiu renovar a já ultrapassada engine de Call of Duty sem perder seu tradicional gameplay que os fãs tanto gostam. O jogo está lindo, e o som das armas assusta de tão realista. Mas acima de tudo, a essência de CoD ainda está por aqui.

As armas são as verdadeiras protagonistas de Modern Warfare, e o Gunsmith só reforça essa ideia. Nele é possível personalizar praticamente todos os aspectos das armas, incluindo mira, pente, cano e muito mais.

Cada arma possui dezenas de acessórios que podem criar combinações virtualmente infinitas, o que traz ainda mais variedade ao gameplay enquanto mantém o jogador sempre engajado em descobrir novas variações para sua arma favorita.

Modern Warfare tem potencial para ser o melhor Call of Duty da história, mas sua primeira semana de vida vem sendo muito turbulenta com reclamações dos jogadores e atualizações sendo feitas pela Infinity Ward – cinco em menos de sete dias.

Como grande fã de CoD, sugiro que a IW continue ouvindo o feedback dos jogadores. Tragam o mini-mapa de volta à sua plenitude, introduzam mapas menores e mais frenéticos e regulem o som dos passos. Só isso já vai elevar demais o prazer de se jogar Modern Warfare.

Acompanhe o GameSpot Brasil no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Twitch.

3 0
Ver comentários ()

Call of Duty: Modern Warfare / PC, PlayStation 4, Xbox One

Pontos Positivos
Gunsmith dá potencial quase ilimitado para a personalização das armas
Nova engine deu à franquia gráficos e sons de cair o queixo
Campanha com história cativante
Spec Ops vai desafiar os mais experientes fãs de CoD
Pontos Negativos
Mapas grandes demais no Multiplayer
Mudança desnecessária no mini-mapa
8
Bom

Sobre o Autor

Pedro Scapin | @PedroScapin17

Desde sempre com um controle de videogame nas mãos, fã de Bloodborne, viciado em FPS e jogos de esporte, e órfão de sua fita de Pokémon Crystal.

Twitter e Instagram: @PedroScapin17

Participe da Conversa

Call of Duty: Modern Warfare

  • Data de Lançamento: 25 de Outubro, 2019
    • PC
    • PlayStation 4
    • Xbox One
    Desenvolvedora:
    Infinity Ward
    Publisher:
    Activision
    Gênero(s):
    Tiro em Primeira Pessoa, Ação
    Pendente