REVIEW

Devil May Cry 5 review — Filhos de Sparda

  • Data de Lançamento: 08/03/2019
  • Data do Review: 7 de Março, 2019
  • PC, PlayStation 4, Xbox One

De volta às raízes.

por Igor Pontes em 7 de Março, 2019

Devil May Cry 5 é a tão sonhada continuação da franquia da Capcom e chega para entregar tudo aquilo que os fãs dos filhos de Sparda esperavam. Com um gameplay frenético, estiloso e uma história que conclui com satisfação tudo que sabíamos desse universo até então, DMC5 reúne o que há de melhor na série sem deixar de inovar no gênero hack and slash. Caçadores de demônios e combadores SSS, se liguem: tem um novo xerife na cidade.

A agência completa

Devil May Cry 5 se passa bem depois de Devil May Cry 4 – tanto em tempo de lançamento, já que o jogo anterior é de 2008, como na cronologia de acontecimentos. Mas não tem problema não se lembrar do que rolou. Dá para assistir a uma leve recapitulação de toda a série Devil May Cry no menu principal do game.

Na trama de DMC5, Nero vive muito bem ao lado da sua namorada Kyrie e de Nico, filha de Agnus, com quem ele acaba lutando durante os eventos do quarto jogo.

Nero e Nico comandam uma van que funciona como uma filial móvel da famosa Devil May Cry, agência de caçadores de demônios capitaneada por Dante. Porém, nem tudo são rosas. Nero acaba perdendo seu braço para um inimigo misterioso. E V, personagem inédito e jogável em DMC5, convoca Dante para lidar com um poderoso demônio que está prestes a ressurgir.

Lady e Trish, outras figuras conhecidas do universo de DMC, também acabam sendo chamadas para seguir até a Qliphoth, uma árvore demoníaca que surge no meio da cidade de Red Grave. É nesse momento que o bonde todo se une para atacar o demônio Urizen… só que o confronto dá muito errado.

Estilos diferentes, frenesi igual

Devil May Cry 5 é o primeiro jogo da série que busca dar destaque igual a três protagonistas – e três estilos bem diferentes de combate. E V é o que chama mais atenção nesse quesito.

Com seus mascotes demoníacos, V tem uma variedade de combos muito vasta e possibilidades interessantes em todo tipo de combate. Shadow, a pantera, ataca ferozmente de perto. Enquanto Griffon, que, além de tudo, é um ótimo personagem e um alívio cômico, voa contra os inimigos atacando a longa distância.

Com seu golpe especial, V convoca um golem de pedra chamado Nightmare que literalmente cai no campo de batalha para causar toneladas de dano aos seus adversários.

V possui um estilo de luta tão único e misterioso quanto o próprio personagem. E é bastante divertido descobrir seus limites conforme você desbloqueia novas habilidades.

Já Nero tem no seu novo braço Devil Breaker o principal agente da sua lista de golpes. São vários modelos diferentes que, juntos, permitem executar uma lista enorme de combos. Punchline, por exemplo, é um soco foguete sem noção que bate nos demônios à distância. Já o Helter Skelter é bem útil para quebrar a defesa dos adversários.

Screenshot Nero Devil May Cry 5

Todos eles têm um golpe mais forte que, em contrapartida, consome o braço. Os Devil Breakers também podem ser desperdiçados no caso de você ser atingido enquanto estiver usando-os. Ou descartados propositalmente para causar dano em área e se livrar de um ataque perigoso do inimigo.

Jogar com Nero exige estratégia e certo gerenciamento de recursos. Por isso, fica a dica: seja cauteloso com seus Devil Breakers durante os combos. Conforme a história avança, braços adicionais espalhados pelas fases se tornam mais escassos e você pode ficar sem aquela… mão amiga.

Por fim, Dante continua sendo o mesmo de sempre, o que não é ruim. O personagem principal de Devil May Cry balança sua espada Rebellion com maestria e tem um arsenal um pouco mais variado que Nero, oferecendo mais possibilidades de golpes corpo a corpo que seu jovem companheiro.

Na verdade, o game te encoraja a mudar de estilo de luta o tempo todo – inclusive no meio dos combos – para aumentar seus pontos de estilo. Em uma só sequência, Dante pode (e deve) encaixar socos e chutes com o conjunto demoníaco de luvas e botas Balrog, levantar os adversários no ar com suas tradicionais pistolas Ebony e Ivory, equipar a Rebellion para fatiar os adversários um pouco mais e concluir o banquete com golpes massivos da motocicleta Cavaliere.

Jogar com Dante é sempre um prazer para os fãs de Devil May Cry. E DMC5 recompensa o jogador com toda a maluquice japonesa que a série tem.

O investimento de Devil May Cry 5 no fotorrealismo, com direito a atores auxiliando na captura de movimentos, poderia diminuir a velocidade desenfreada dos golpes, mas felizmente não é o caso. DMC5 mantém o frenesi de combos alucinantes e ataques espalhafatosos que fizeram Devil May Cry ser tão adorado. E como Michiteru Okabe, produtor do jogo, nos disse na BGS 2018, o espírito chuuni dos animes está muito presente no jogo. E sim, existem cenas que você vai querer sair por aí imitando mesmo.

Zoeira, tiro e muita diversão

Dante e Nero mantêm uma relação divertida e pontuada pelo humor ácido e provocador de ambos – e também, acredite ou não, por um certo protecionismo de Dante, sempre preocupado com o bem estar do seu colega caçador de demônios.

E apesar da pressão sobre o jovem, e do veterano tentar roubar os holofotes a todo momento, Nero é um personagem cativante que entrega boas risadas. E sua relação com Nico, criadora do Devil Breaker, soa natural apesar de ser a sua primeira aparição nos games.

Nico sempre faz brincadeiras fora de hora com Nero, principalmente nos momentos em que ele está sério ou focado numa missão. Quando Nero salva Lady durante a batalha contra um dos chefões do jogo, Nico diz que não vai falar nada para Kyrie, namorada do protagonista. Em outro momento, Griffon tenta fazer uma gracinha com Nico e ela ameaça criar uma panela especial para cozinhar o pássaro demônio.

Nico também coleta partes dos chefões derrotados por Nero, Dante e V. E ao recolher o chifre de Goliath, o primeiro de todos, Nero solta uma piadinha:

Você cheirou isso? Você sabe onde isso estava né?”, mas na mesma hora ela retruca com um sonoro “Na sua bunda?”, deixando o caçador de demônios sem palavras.

A maior boyband do século

É preciso destacar um parágrafo do review para o visual do trio de protagonistas. V chama atenção pela bengala estilosa e as tatuagens cobrindo seu corpo. E Nero usa um sobretudo parecido com o de Devil May Cry 4, mas agora sem os cabelos longos que o deixavam com a cara de Dante. Identidade própria mandou um beijo.

Já nosso veterano, por sua vez, ganhou aquele ar de quarentão estiloso que não abdica da cabeleira mesmo com o passar dos anos. Se juntar os três e colocar o Vergil no meio dessa galera, temos a melhor banda cover de My Chemical Romance dos últimos tempos.

Brincadeiras à parte, a tecnologia fotorrealista de Devil May Cry 5 entrega uma maior expressão dramática para todos esses personagens durante as cutscenes, o que aprofunda as dimensões emocionais de todos eles.

Já a Qliphoth, árvore demoníaca no centro de Red Grave, é macabra e monstruosa, com seu interior formado por paredes que parecem ter sido feitas de carne e sangue. Red Grave, por sua vez, é tomada pelas raízes da árvore e a destruição que veio junto, com ruas desniveladas e crateras.

Os minions, ou os demônios mais fracos, possuem pouca variação visual. Uma espécie de formiga é o tipo de monstro mais frequente no começo do jogo, além de uma versão voadora que pode reviver aliados derrotados em batalha. Existem outros inimigos mais complexos, como um monstro com dois cutelos gigantes e um saco na cabeça, ceifadores que parecem uma representação da morte e morcegos cuspidores de fogo, mas eles aparecem pouco ao longo da campanha.

Fica o destaque para os chefões do jogo, monstros enormes com nomes de personagens mitológicos, como Goliath e Artemis. Especificamente falando desta, Artemis é uma vilã que você enfrenta numa biblioteca gigante e tem um visual bem diferente dos outros demônios do jogo. Ela parece uma nave viva, com várias asas e capaz de disparar lasers.

O próprio Urizen tem um visual imponente e uma armadura que parece ser feitas das raízes da árvore demoníaca, numa relação de simbiose. Ele pode usar as raízes da Qliphoth para atacar seus inimigos e, no embate final, traz uma grande surpresa para os jogadores.

Simpatia pelo demônio

Screenshot Devil May Cry 5 Buster

Devil May Cry 5 entrega uma história completa que atravessa e amarra todo o universo DMC. O trailer final do jogo já havia antecipado, mas até mesmo Eva, mãe de Dante e Vergil, aparece pela primeira vez na série num momento emocionante sobre o passado complicado dos filhos de Sparda.

Também visitamos a antiga casa da família, onde Dante finalmente entende os planos do pai e aceita suas razões para deixá-lo com a espada Rebellion e dar ao seu irmão a Yamato. A cena dá a Dante uma nova compreensão sobre seus poderes e um gás a mais para a batalha final.

São momentos assim que definem a força de Devil May Cry 5. Apesar do fã já estar careca de saber dos acontecimentos da franquia, DMC5 entrega surpresas e conclui o que se sabe até aqui de maneira satisfatória e dramática. Tem o passado da família Sparda, tem a rivalidade de Dante e Vergil e tem o papel de Nero nesse bololô todo.

O dilema dos irmãos tomou uma proporção maior do que eles mesmos ao envolver outras pessoas num confronto incessante. E o diabo pode até não chorar, mas a carga emocional que Devil May Cry 5 carrega faz com que o capiroto fique de olhos marejados.

Se for o caso de apontar algum defeito, DMC5 peca um pouco – mas só um pouco – do meio para o final da história, quando Nero é deixado um pouco de lado. Por mais que você jogue pela perspectiva de Nero durante a maior parte da campanha, o trecho em que você assume a capa de Dante é o que traz mais informações sobre a trama do jogo.

Mas o que importa é que a esmagação de botões para realizar combos incríveis, e conquistar aquela nota SSS, é o que faz de DMC5 uma diversão desenfreada. A câmera atrapalha em certas situações, mas nada ofusca o fato desse jogo ser um passo a frente dentro do próprio estilo de jogo que ajudou a popularizar.

Seja pela tecnologia de ponta da RE Engine. Seja pela variedade de estilos de jogo, com Nero, Dante e V assumindo papeis únicos no gameplay.

Devil May Cry 5 é um presente da Capcom para os fãs que esperaram durante tanto tempo por um desfecho. E acredite, você não está preparado para o quanto esse jogo vai te deixar feliz e com vontade de jogar mais uma vez todos os Devil May Cry em sequência.

Acompanhe o GameSpot Brasil no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Twitch.

14 0
Ver comentários ()

Devil May Cry 5 / PC, PlayStation 4, Xbox One

Pontos Positivos
Gameplay frenética e empolgante.
Renovação dentro do estilo hack and slash sem deixar de flertar com suas origens.
História encerra bem tudo que se sabe sobre Devil May Cry.
O visual dos personagens é um show a parte.
Pontos Negativos
Às vezes, a câmera pode atrapalhar durante combos muito intensos.
Nero fica de lado do meio para o final da história.
9
Muito Bom

Sobre o Autor

Igor Pontes

Jornalista, Mestre Pokémon desde criancinha e ainda sonha que a Cidade de Pallet é seu lugar. Fã de e-Sports e de RPGs, e morre de medo até hoje do primeiro Silent Hill.

Participe da Conversa

Devil May Cry 5

  • Data de Lançamento: Pendente
    • PC
    • PlayStation 4
    • Xbox One
    Desenvolvedora:
    Capcom
    Publisher:
    Capcom
    Gênero(s):
    Ação, Aventura
    Pendente