REVIEW

Far Cry 5 Review: Uma Terra De Abundância

  • Data de Lançamento: 26/03/2018
  • Data do Review: 8 de Abril, 2018
  • PC, PlayStation 4, Xbox One

Uma Terra De Abundância

por Edmond Tran em 8 de abril, 2018

traduzido por Pedro Scapin em 8 de Abril, 2018

Se você conhece a premissa de Far Cry – a ideia de um exército de uma pessoa encarando uma esmagadora força hostil em cenários grandes e imprevisíveis – então você sabe exatamente qual é o “feeling” de Far Cry 5. Você se envolverá com diferentes estilos de conflitos ofensivos; tentará domar a natureza e usá-la a seu favor; e construirá lentamente uma resistência guerrilheira por trás de tudo isso. Mas, para seu quinto lançamento principal, a fórmula da série passou por alguns refinamentos bem positivos, que tornam seus elementos centrais, exploração e combate em uma localidade volátil, uma experiência mais livre e agradável. Uma que te permite aproveitar o visual e as atividades de um belo mundo aberto sem muitas distrações evidentes.

A maior mudança é a de que finalmente a série está confiante o suficiente para te colocar no comando de sua própria progressão. Após uma breve orientação, toda a região de Hope County, Montana, Estados Unidos, está aberta para exploração. Três regiões que intimidam de tão grandes cercam seu ponto de partida, e você recebe apenas uma leve sugestão de um bom destino inicial. A hora em que você é apresentado às possibilidades igualmente acessíveis e os lugares mais longínquos do mapa é libertadora – você pode se sentir até aleijado pela escolha, e esse é um problema bom de se ter.

Para acompanhar essa decisão, Far Cry 5 lida com a progressão de sua história de uma maneira mais solta. O objetivo em cada uma das três regiões é ganhar Pontos de Resistência suficientes para alcançar três marcos, e posteriormente ter três encontros com três tenentes do Culto de Eden’s Gate, levando, no final, ao líder, Joseph Seed, “O Pai”. Cada um desses indivíduos comanda uma faceta diferente de um grupo temente a Deus, mas seus papéis na história não são interessantes quanto você possa imaginar, apesar do potencial de Far Cry 5 para uma narrativa controversa e carregada de política. Ganhar Pontos de Resistência – uma indicação abstrata do crescimento da oposição ao Eden’s Gate – pode ser feito de diversas maneiras. Completando missões da história e secundárias para membros da Resistência são as mais eficientes, mas você também pode alcançar seu objetivo fazendo tarefas menores nas quais você pode tropeçar durante duas jornadas pelo condado: resgatar civis em encontros aleatórios, encontrar e destruir estruturas do Culto ou veículos de suprimento, e liberar propriedades ocupadas e usadas como postos do Culto.

Mecanicamente, é um sistema ótimo e amigável com o jogador, que te recompensa não obstante qual atividade você decidir fazer ou evitar. Mas, a razão por que ela é tão boa na execução é devida à mudança sobre como você descobre essas oportunidades no primeiro lugar. Com a exceção de alguns lugares de cada região e a localização de alguns Especialistas (Personagens de apoio que possuem habilidade únicas), nenhum ponto de interesse é marcado no mapa, e a prática tradicional de Far Cry (e da Ubisoft) de achar e avaliar estruturas importantes para popular o mapa foi removida.

Descobrir pontos de interesse pode ser feito de algumas formas. “Tropeçar” em uma área importante irá marcá-la em seu mapa. Olhar ativamente para placas de animais selvagens te informa sobre a fauna da região. Encontrar notas, mapas e revistas localizados em casas e outros prédios podem te indicar um número de coisas diferentes, incluindo os Prepper Stashes, que envolvem resolver quebra-cabeças obscuros que levam a dinheiro e equipamentos. Simplesmente encontrar um civil pode te dar a oportunidade de falar com eles sobre as últimas fofocas sobre um posto, uma missão secundária, ou ainda a localização de um NPC que vai te dar uma missão da história.

Todos esses elementos trabalham maravilhosamente em conjunto para criar um estilo maior de progressão que parece ser mais orgânico. Eu comecei meu tempo com o jogo sabendo que buscaria táticas mais stealth, então imediatamente fui na direção de um Especialista que complementaria meu estilo de jogo. No caminho, encontrei um cidadão sendo levado pela estrada à mira de uma arma. Após salvá-lo, ele me contou sobre uma fábrica de abóbora próxima dali que foi tomada pelo Eden’s Gate. Como um amante de vegetais, eu tornei uma obrigação pessoal libertar todos de seus captores. Aconteceu de eu encontrar uma mapa marcando pontos de pesca enquanto estava me esgueirando ao redor do prédio, e, depois que liberei a fazendo, um dos fazendeiros que libertei me ofereceu uma missão secundária. Enquanto a expansão inicial do mundo aberto pode te aleijar com escolhas, o sistema de descoberta entrega opções distintas em doses pequenas, te encorajando a seguir e explorar as pequenas distrações que encontrar com uma curiosidade genuína, ao invés de ‘porque era uma dos doze ícones que você marcou arbitrariamente no mapa.’

Na verdade, não há mini-mapa, e é uma das melhores coisas que aconteceram com a série. Há um compasso que te ajuda a seguir sua direção e encurtará a localização geral dos inimigos e dos objetivos marcados, mas não há nada te mostrando as especificidades da área. Você ainda precisará navegar pelo menu para ver o mapa do mundo, mas é uma mudança bem-vinda ainda assim. Você pode focar nos detalhes do mundo sem distrações, e apreciar ativamente a beleza estonteante do ambiente natural que te cerca – os campos serenos e as fazendas, os rios repletos de peixes… – e prestar total atenção aos detalhes complexos dos interiores de casas e negócios que você visitar, cada um com personalidades únicas.

Essa nova liberdade flui confortavelmente bem com o aspecto mais celebrado da série Far Cry: a capacidade de você se aproximar dos inimigos e conflitos da sua própria maneira, ver que tipos de cenários aleatórios você encontra, e obter as história que você vai contar no bebedouro sobre o que aconteceu depois. Ainda há várias maneiras de se aproximar de tarefas como liberar postos – entrar sem ser visto, com movimentos stealth e armas silenciosas, atrair predadores ao edifício para que façam o trabalho sujo para você, se aproveitar do sistema de propagação do fogo para incendiar o lugar com lança-chamas e explosivos, ou apenas ser tradicional e sair atirando em tudo.

O sistema alterado de upgrade de Far Cry 5 te ajuda a tornar esses modelos de jogo mais viáveis desde o início. As habilidades são agrupadas em disciplinas, mas não são organizadas em nenhum tipo de árvore, o que significa que nenhum pré-requisito é necessário para desbloqueá-las, e quase nada é travada pelo progresso. Então, se você começar o jogo e preferir aproximações mais stealth, você pode liberar habilidades que te permitirão correr silenciosamente, se mover mais rápido enquanto estiver abaixado, e realizar quedas múltiplas (todas skills de alto nível anteriormente) como seus primeiros desbloqueios. Pontos para gastar em habilidades estão ligados a um item que você encontrará regularmente no mundo, assim como uma lista enorme de desafios bem simples que estão conectados a cada arma, ação pessoal e personagem de apoio no jogo. Você pode sair do seu caminho para variar suas formas de aproximação e maximizar pontos de habilidades, mas se você tende a manter um estilo de jogo específico, é improvável que você precise fazer isso. Existe também, ainda bem, menos ênfase em caçadas. Vender peles de animais é a maneira mais lucrativa de ganhar dinheiro para comprar armas e veículos, mas a série finalmente deixou para trás a necessidade de caças criaturas específicas para fabricar certos upgrades.

Outra mudança fantástica envolve os já citados Especialistas e seus parentes mais genéricos, os Mercenários. Eles permitem que você use e comande as habilidades únicas de um de vários parceiros de suporte, adicionando outro elemento divertido e dinâmico ao seu cinto de utilidades. Os Especialistas fornecem uma variedade de opções, de humanos que dão cobertura com diferentes armas e veículos a animais que podem te ajudar marcando inimigos ou os derrubando silenciosamente. Eles são recursos fantásticos que podem complementar suas habilidades ou preencher uma lacuna. Você pode recrutar a arqueira torturada Jess para lhe dar uma opção de ataque silenciosa, ou pedir que a piloto de helicóptero Adelaide forneça cobertura e distração.

A Inteligência Artificial que comanda os personagens de apoio às vezes toma decisões ruins, que os colocam em perigo, mas, no lugar de um parceiro co-op, os Especialistas aumentam a propensão de momentos onde você sacode o punho e grita “É isso aí!”. Você pode estar cruzando uma ponte e perceber que uma SUV inimiga te surpreendeu por trás, bloqueando completamente sua fuga. Com isso, você poderia fugir para dentro da floresta que há por perto e inadvertidamente perturbar um puma, que começa a te perseguir, mas muda de ideia e decide que um de seus agressores é uma presa mais fácil. Outra situação pode te colocar numa perseguição de carro em alta velocidade e ligar para o Especialista Nick para voar com seu hidroavião e atacar quem te persegue. E, enquanto você o ouve gritando no rádio, você olha pelo retrovisor e vê seu ataque aéreo aniquilar completamente o comboio em uma explosão flamejante e se ver dirigindo para fora de um penhasco.

É sobre isso que Far Cry é – encontros fluidos e dinâmicos que agem como telas diferentes e te deixam usar a variedade de ferramentas do jogo para terminar a pintura. No mínimo, esse é o caso na maioria do tempo. Enquanto muitas missões de história e secundárias também incorporam atividades como tomar postos, muitas são focadas em experiências de estilo singular que podem agradar ou não, dependendo de suas preferências, e são menos abertas a experimentação.

Há algumas que, dependendo de sua paciência, podem ser intoleráveis. Uma vez que você atinge um dos três marcos para liberar uma região, o tenente do Eden’s Gate no comando irá te capturar, te afastando do mundo, não importa o que você estiver fazendo, com uma manobra macguffin. Você escapará todas as vezes, é claro, e, fazendo isso, irá realizar tarefas singulares até escapar ou encontrar uma oportunidade de matar o tenente. Essas missões mostram algumas das cenas mais impressionantes do jogo, mas, mecanicamente são amenas, no máximo, com elementos de desafios stealth, sequências em torretas e jogabilidade plataforma monótona em outras situações. Essas missões são relativamente breves, mas são ocorrências semi-regulares que te puxam do mundo que torna Far Cry 5 ótimo, e é fácil usar isso contra elas.

O que torna essas missões mais notórias são os encontros prolongados com os membros da família Seed quando você capturado. Joseph Seed e seus tenentes são vilões bem carismáticos, e suas performances são impressionante. Mas, cada encontro com eles é igual – você está dominado de alguma maneira e não pode fazer nada a não ser vê-los aparecer na sua cara, pregando sobre tópicos que garantem que você saiba o quão malignos eles são, e que se tornam bem cansativos bem rapidamente. Far Cry 5 devota muito de seu tempo abusando dessa situação, e as poucas chances que têm para capturar sua simpatia para a causa deles se tornam baratas. Parte de seu plano em fazer com que você realmente os odeie é capturar e machucar aliados mais importantes. Cenas de violência contra eles farão você estremecer e servem como motivações, mas a verdade é que você terá falado com essas pessoas uma ou duas vezes antes disso, se é que o fez, então não terá formado nenhuma relação tão importante.

Os outros personagens que te dão quests são, em sua maioria, caricaturas que ou você ama ou odeia, mas você não precisa investir muito em suas vidas fora das missões ultrajantes que te passam. Eles te mandarão em aventuras que te mostram o lado mais “bobo” de Far Cry, desde caçar perus alienígenas para um cientista louco a assistir bovinos procriando. Essas missões se encaixam no espírito livre de Far Cry mais do que qualquer coisa que envolve a família Seed.

As missões da família Seed não são exatamente detrações, mas há queixas diferentes. Armas e veículos que podem ser comprados com dinheiro real assumem posições proeminentes em cada menu de vendas, e sua conexão com uma loja online parece fazer o tempo de loading aumentar nesses menus, o que é irritante se só o que você quer fazer é trocar de armas. E, apesar do cenário político e religioso inquestionavelmente relevante de Far Cry 5, o jogo não faz ou diz nada de interessante com ele além de algumas coisinhas aqui e ali. Por conta de toda a atenção dada à família Seed, você esperaria mais.

Mas existem outras tantas e mais simples maneiras de encontrar felicidade em Far Cry 5. A sensação empolgante de pular de uma montanha e voar pelos céus em um traje de wingsuit. O bate papo entre seus Especialistas. Pescar em um dos muitos rios e lagos por várias horas. Brincar com seus animais. Voar com um avião pela primeira vez na série. Os tiroteios tensos e precisos. A sensação relaxante de andar por uma bela estrada em carro dos anos 70, ouvindo uma ótima seleção de músicas clássicas dos Estados Unidos (e uma da Austrália).

Se você prefere passar por tudo isso com alguém que um pouco mais autônomo, ou se prefere que seu mundo seja um pouco mais louco, Far Cry 5 ainda possui algumas funcionalidades grandes: Co-op online de dois jogadores para a Campanha e o Far Cry Arcade. O cooperativo tem algumas restrições – o anfitrião é o único jogador que pode controlar Especialistas, iniciar missões ou ter progressos relacionados a elas salvos. Não poder realmente avançar na campanha com um amigo é uma omissão bem decepcionante, mas, se você for feliz em ser apenas um mercenário extra, há muita diversão para ser encontrada em compartilhar os momentos de improvisação empolgantes de Far Cry – e você pode delirar sobre tudo com seus amigos logo na sequência.

Já o Arcade á lar do editor de mapa do jogo, que te permite construir e jogar seus próprios mapas, sozinho ou em co-op/competitivo, ou ainda usar outros feitos pelo restante da comunidade. Enquanto o processo de entrar em mapas customizados requer muita paciência para encarar tempos de loading potencialmente longos, Arcade dá a possibilidade de uma variedade de níveis e modos de jogo que são bem diferentes dos tons e regras do jogo principal (mas vale mencionar que o habitante que vive no Far Cry Arcade é o personagem mais irritante do jogo).

O editor em si é robusto, e seu catálogo de recursos é generoso, oferecendo opções de jogos da Ubisoft como Watch Dogs e Assassin’s Creed, além dos outros Far Cry. Como você pode esperar, levará um certo tempo até que você se familiarize por completo com ele, mas, com interesse, é óbvio que os resultados podem ser impressionantes. Os níveis criados pela Ubisoft são amostras legais de quão interessante as coisas podem ser, mas existem vários exemplos fracos também. É fácil identificar os mais chatos ao escolher os níveis single-player, mas, quando você se aventura no multiplayer, você acaba contando com a sorte. Três jogadores em um lobby são selecionados para escolher o próximo mapa, e o restante fica a cargo de escolher entre eles e uma opção feita pelo servidor.

Já há alguns mapas PvP maravilhosos – uma favela pirata e uma recriação da famosa de_dust2, de Counter-Strike, foram surpresas boas, mas existe uma boa parcela de mapas feios e vazios com modificadores mal pensados. Cavernas anexas com munição infinita (o som e a vibração de granadas constantemente explodindo ficou bem desagradável) e modos de 1 hit kill em arenas sem proteção simplesmente não são divertidos. É ótimo ver que as pessoas estão experimentando com a ferramenta, mas você não é obrigado a publicar seu trabalho, então é um pouco irritante. Após as partidas, você deve dar um like ou dislike no mapa para ajudar nas avaliações, então esperamos que, depois de um tempo, o joio será separado do trigo.

Se você gosta de apostar, existe também a opção Arcade Hero, uma versão onde você optar por jogar em mapas novos e relativamente não jogados. É evidente que não há muita gente testando esse modo, uma vez que não fui capaz de encontrar uma partida em Arcade Hero, mas me deparei com ideias interessantes na versão single-player. Você recebe experiência bônus para sua progressão em Far Cry se participar do Arcade Hero, e, subir de nível traz recompensas como finanças in-game e Pontos de Habilidades, que você pode levar para a Campanha.

Apesar de algumas breves irritações e oportunidades perdidas com sua narrativa, passar um tempo no mundo de Hope County permanece absolutamente agradável. Far Cry 5 ostenta um ritmo maravilhosamente harmonioso em sua aventura, com mudanças inteligentes na exploração, e uma progressão distinta reforçando o prazer de se envolver e experimentar seu espetacular mundo aberto.

Acompanhe o GameSpot Brasil no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Twitch.

1 0
Ver comentários ()

Far Cry 5 / PC, PlayStation 4, Xbox One

Pontos Positivos
Mundo aberto lindo, interessante e dinâmico a ser explorado
Mecânicas de descobrimento orgânicas tornam a exploração empolgante
Especialistas e Mercenários são adições divertidas
Gunplay preciso é otimo
Far Cry Arcade tem potencial para uma gama de conteúdo interessante
Pontos Negativos
Algumas missões maiores são desgastantes
9
Muito Bom
Participe da Conversa

Far Cry 5

  • Data de Lançamento: 26 de março, 2018
    • PC
    • PlayStation 4
    • Xbox One
    A aclamada franquia da Ubisoft desembarca no interior dos Estados Unidos ainda mais cercada de personagens e histórias polêmicos.
    Desenvolvedora:
    Ubisoft Montreal
    Publisher:
    Ubisoft
    Gênero(s):
    Ação, 3D, Tiro em Primeira Pessoa
    18 anos
    Violência Extrema, Temas Sexuais, Uso de Drogas e Álcool, Sangue