REVIEW

The Legend of Zelda: Link’s Awakening review — Despertar de uma paixão

  • Data de Lançamento: 20/09/2019
  • Data do Review: 24 de setembro, 2019
  • Switch

Amor à segunda vista.

por Pedro Scapin | @PedroScapin17 em 24 de setembro, 2019

Zelda Link's Awakening

Antes de começar esse review, preciso fornecer duas informações importantes para o contexto dessa análise: nunca fui fã de Zelda e não gostei nem um pouco de Breath of the Wild. Agora que você já proferiu incontáveis xingamentos virtuais na minha direção, eu peço calma, pois acredito que vou recuperar sua fé em mim até o final do texto.

LEIA MAIS: 

Vamos começar explicando os motivos para os dois fatos citados acima. Primeiro, eu nunca tive um console de mesa da Nintendo até comprar um Switch, portanto boa parte dos grandes jogos de Zelda estiveram fora do meu alcance ao longo dos anos.

Sobre Breath of the Wild, meus motivos para não gostar do game são muitos, mas aqui não é o lugar para me alongar sobre eles. Em resumo: sistema de combate raso, armas que quebram rápido demais, chefões decepcionantes e inimigos repetitivos.

Dito tudo isto, vamos ao que interessa. Link’s Awakening conseguiu me divertir e cativar de maneiras que Breath of the Wild jamais chegou perto.

Percebi que era diferente desde a cena de abertura. Foi magnético. Sempre que estava jogando eu não queria parar, e quando o Switch não estava em minhas mãos, eu só conseguia pensar em voltar para Koholint Island.

Link's Awakening

A versão de Switch traz uma enorme atualização para o game original, lançado em 1993 para Game Boy. E as mudanças vão muito além de serem meramente estéticas, trazendo para o jogo alguns aprimoramentos necessários para melhorar a experiência geral de quem está controlando Link.

A diferença visual e sonora entre os dois jogos é exorbitante. A versão de Switch transforma com maestria os pixels do Game Boy em um conjunto de animações que parecem saídas direto da Disney.

Tudo e todos em Koholint Island são vibrantes e expressivos, o que torna ainda mais divertido conhecer as peculiaridades de cada personagem, e um prazer a exploração dos variados biomas que Link’s Awakening oferece.

Zelda Link's Awakening

Os gráficos do game, ainda que um seus pontos mais fortes, também são responsáveis por aquele que talvez seja seu único problema. A taxa de frames sofre bastante em muitos momentos, principalmente quando navegamos com Link fora das masmorras – e em alguns momentos até mesmo dentro delas.

Já a trilha sonora do game ganhou uma nova vida na versão de Switch. Desde os golpes e grunhidos de Link até as músicas que grudam como chiclete na cabeça, não foram poucas as vezes que me peguei com um sorriso no rosto oriundos da mais pura satisfação.

O gameplay do remake também recebeu uma forte atualização, fazendo ótimo uso do número maior de botões do Nintendo Switch. Link agora pode manter equipadas simultaneamente mais ferramentas e habilidades, e com isso, a exploração de masmorras e os confrontos contra inimigos se tornam mais naturais e gratificantes.

Mas a maior novidade do remake de Link’s Awakening está no modo de criação de masmorras. Nele, você pode reutilizar elementos das dungeons do game para projetar as suas.

Zelda Link's Awakening

Por mais interessante que o modo possa parecer, não é possível compartilhar suas masmorras online, ou baixar e explorar as criações de outros jogadores, o que faz com que o ele se torne obsoleto em pouquíssimo tempo, e um grande desperdício no fim das contas.

Depois de mais de 16 horas em Koholint Island, Link’s Awakening ganhou meu coração, e despertou nele uma paixão – tardia, admito – pelo universo de Zelda, e uma vontade incontrolável de recuperar o tempo perdido com tudo que a franquia tem a oferecer. Quem sabe eu até dê uma nova chance para Breath of the Wild…

Acompanhe o GameSpot Brasil no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Twitch.

7 0
Ver comentários ()
Pontos Positivos
Gráficos charmosos e bonitos
Trilha sonora envolvente
Melhorias significativas no gameplay
História e personagens cativantes
Pontos Negativos
Quedas frequentes demais de frame rate
Não é possível compartilhar masmorras online
9
Muito Bom

Sobre o Autor

Pedro Scapin | @PedroScapin17

Desde sempre com um controle de videogame nas mãos, fã de Bloodborne, viciado em FPS e jogos de esporte, e órfão de sua fita de Pokémon Crystal.

Twitter e Instagram: @PedroScapin17

Participe da Conversa

The Legend of Zelda: Link’s Awakening

  • Data de Lançamento: Não divulgada
    • Switch
    O remake de Link’s Awakening manterá sua jogabilidade tradicional, com a navegação e combates vistos de uma perspectiva de cima, mas com gráficos totalmente atualizados. Diferentemente da maioria dos jogos da franquia The Legend of Zelda, Link’s Awakening não é ambientado em Hyrule e sim em Koholint. Na história, Link vai parar nessa ilha após seu barco ser destruído. Para escapar, ele precisa reunir oito instrumentos mágicos e despertar o guardião da ilha, Wind Fish.
    Desenvolvedora:
    Nintendo
    Publisher:
    Nintendo
    Gênero(s):
    Ação, Aventura
    Violência